A chegada de uma variante do novo coronavirus e o aumento de internações em São Paulo levaram médicos e pesquisadores a recomendar que sejam implementadas medidas mais rigidas no estado, como o lockdown, para conter a escalada dos números. A média móvel de mortes no estado está no patamar de agosto de 2020 e os leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em São Paulo passaram da marca de 70% de ocupação, semelhante ao registrado em maio.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) diz que a variante identificada no Brasil já está se disseminando por outros países. Membros do Centro de Contingência do Coronavirus também são favoráveis a adequações que freiem o avanço da Covid-19, mas o governo de João Doria (PSDB) não chega a falar em fechamento do comércio e da circulação.

“Neste momento, o que você precisa em São Paulo é um lockdown, como as cidades europeias acabaram fazendo depois que se deram conta do que era a variante do Reino Unido”, diz Monica de Bolle, professora da Universidade Johns Hopkins e membro do Observatorio Covid-19 BR, iniciativa que reúne pesquisadores de diversas áreas para monitorar a pandemia no Brasil.

Compartilhe: